google.com, pub-5684687435785895, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Política

EUA vs Venezuela: Brasil defende declaração de Pompeo

Ernesto Araujo, Brazil's foreign affairs minister, speaks during a news conference with Mike Pompeo, U.S. secretary of state, not pictured, at the Itamaraty Palace in Brasilia, Brazil, on Wednesday, Jan. 2, 2019. U.S. and Brazil will work together against authoritarian regimes, Pompeo said at an event in Brasilia. Photographer: Andre Coelho/Bloomberg

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou em audiência da Comissão de Relações Exteriores do Senado (CRE) que não houve ameaça à Venezuela por parte do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, durante visita a Boa Vista. Segundo Araújo, o que aconteceu foi uma má tradução.

O requerimento de convite para a ida do ministro ao colegiado foi motivado pelo fato de alguns parlamentares terem entendido que o secretário usou o Brasil para promover o presidente norte-americano Donald Trump, que está na reta final da campanha pela reeleição e ter feito declarações contra o regime de Maduro.

Araújo rechaçou todas as críticas em declarações feitas na coletiva de imprensa ocorrida após a visita de Pompeo. Para o brasileiro, um dos elementos mencionados pelo secretário Mike Pompeo foi objeto de polêmica por uma “má tradução” da m´´idia que vinculou a notícia. “Foi traduzido que ele haveria dito: o nosso mundo está consistente. E a gente vai tirar essa pessoa e vai colocar no lugar certo”, como se estivesse referindo a Nicolás Maduro. Na verdade, o que ele disse em inglês, eu vou tentar uma tradução melhor, foi: “nossa vontade é coerente, o nosso trabalho será incansável e chegaremos ao lugar certo”, afirmou.

Para o chanceler, no contexto de toda a entrevista, fica claro que as afirmações foram feitas a partir de uma perspectiva humanitária, de defesa dos direitos humanos. Ao ressaltar que, para o Brasil, o governo da Venezuela é o de Juan Guaidó, também reconhecido por outros 56 países, ele garantiu ainda que nenhuma crítica foi feita diretamente ao povo venezuelano, ou contra o país vizinho.

“De forma nenhuma! Ofensa à Venezuela seria a gente ignorar o sofrimento do povo venezuelano. Nós temos total solidariedade pelo povo venezuelano. É uma nação amiga, é uma nação irmã, com uma tradição democrática imensa; terra de Bolívar, como se sabe. “”É importante que a gente não use a palavra Venezuela para se referir a esse bando de facínoras que ocupa o poder ainda na Venezuela, pelos quais a gente só tem desprezo – e justamente, me parece. É importante esclarecer isso”, afirmou, em referência à Nicolás Maduro.

Metáfora

O chanceler brasileiro usou uma metáfora feita à época pelo senador Esperidião Amim (SC) para explicar as críticas feitas por ele e pelo secretário de estado americano na visita ao Brasil. Araújo negou que tenha recebido Mike Pompeu “em sua casa”, para falar mal do vizinho [ Venezuela].

“Vamos supor, então, que nós, aqui no Brasil, estamos em uma rua e temos um vizinho que é muito amigo nosso. De repente, esse vizinho tem a casa dele invadida por um narcotraficante que praticamente escraviza o vizinho, prende no porão o vizinho e toda a sua família e ocupa essa casa do vizinho. Vamos supor que um dos filhos do vizinho consegue escapar, vem para o nosso terreno, nós o acolhemos e, então, recebemos um amigo de uma outra rua, que também é amigo do nosso vizinho, e vamos falar dessa situação. Então, o fato de nós falarmos dessa situação não é uma agressão ao nosso vizinho, é uma preocupação com o fato de que a casa do nosso vizinho foi tomada por um narcotraficante”, disse.

Na avaliação de Araújo, as críticas “ao narcotraficante que tomou essa casa” não significa agressão ao vizinho. “É o contrário: é o nosso dever de vizinhança e de solidariedade”, disse.

Últimas Notícias